Rede Construir

Histórico

A Rede Construir surgiu em São Paulo com a retaguarda do SINCOMAVI (Sindicato do Comércio Varejista de Material de Construção da Grande São Paulo) em 1997, e do esforço conjunto de  empresários do segmento varejista de materiais para construção, para que suas lojas se tornassem competitivas e lutassem por melhores condições com as grandes redes nacionais e internacionais.

O associativismo do varejo no segmento de material para construção surgiu há alguns anos, com o único objetivo de se unir para comprar grandes volumes e conseguir preços melhores. Com as mudanças na economia, os grupos estrangeiros começaram a ganhar projeção no mercado. Então os associados foram obrigados a rever conceitos antigos de como administrar uma loja. Hoje, o profissionalismo e a competitividade passaram a ser prioridades para as pequenas e médias revendas.

Estratégia

Com isso torna-se possível reduzir o preço de compra, ampliar vendas, diversificá-las com produtos competitivos, padronizar os produtos e atendimento, ter acesso à formação gerencial e profissional e ter facilidade na aquisição de equipamentos e tecnologia.

Vantagens

As redes associativistas, que reúnem as pequenas e médias revendas, começaram a mudar a visão do varejo de material para construção. Elas entenderam que o lucro é a soma de vários fatores como:

Melhoria no Atendimento

Ter espírito associativista, disposição para resolver problemas em equipe e buscar sempre o caminho do sucesso e melhor formação gerencial e operacional. Disponibilizar maior variedade de produtos, mantendo como mix de produtos: material básico, hidráulico, elétrico, acabamento, esquadrias, tintas, ferragens e ferramentas.

Modernização nas instalações

Tornar as instalações da rede um atrativo para quem compra e para quem vende. Introdução de novos conceitos de marketing junto ao consumidor. Fortalecer a marca e atrair o cliente para a sua loja.

Informatização das lojas.

Software desenvolvido para que todos os estabelecimentos associados possam padronizar sua linguagem gerencial.